Dores nas costas das crianças: mais um sintoma do isolamento social

                          

Segundo especialista ortopédico infantil e o site de busca mais acessado do planeta, a pandemia do coronavírus aumentou as queixas em consultas e também as pesquisas sobre dores nas costas na internet

A nova realidade imposta pela pandemia do coronavírus, que inclui o isolamento social, home office e aulas on-line, mudou a vida e os hábitos comportamentais de toda a população mundial e isso inclui as crianças. Os pequenos, habituados a uma rotina frenética, dividida entre atividades escolares, cursos extracurriculares, esportes e lazer,  viram-se confinados, com pouco espaço para se movimentarem e até mesmo ânimo para brincadeiras em casa. Esse “sedentarismo” desencadeou outro sintoma causado pelo isolamento social: dores nas costas das crianças.

“Estudar em casa, na maioria das vezes sem o mobiliário com ergonomia adequada e a falta de exercícios físicos, que enfraquece a musculatura e deixa a coluna mais vulnerável – já que é normal passar mais tempo sentado ou deitado – trouxe ao consultório o aumento de relatos de dores e lesões nas costas. Outro fator que deve ser levado em consideração para o aumento dos casos foi a falta da continuidade no tratamento daqueles que já sofriam com o problema, o que agravou os sintomas”, relata o ortopedista infantil David Nordon.

Ainda segundo o médico, o tempo em frente à televisão e o uso excessivo de dispositivos eletrônicos (celulares, tabletes e notebooks) são agravantes para que as dores se tonem mais intensas e continuas. A tecnologia traz facilidades mas também patologias. Uma delas é o “Pescoço do Celular ou Pescoço Tecnológico”, descoberta em 2007.

“A posição da cabeça para visualizar a tela do aparelho, como olhar para baixo, por exemplo, sobrecarrega todo o sistema de sustentação formado por músculos e vértebras. A gravidade aumenta em até 5,5 vezes o peso do crânio humano, que é de aproximadamente 5kg em média. Esse posicionamento excessivo e repetitivo provoca tensão nos ombros e trapézios, além de dores cervicais e na coluna. Evitar o problema é bem simples: oriente as crianças e os adolescentes para que evitem olhar para o aparelho sempre ou por muito tempo na mesma posição”, orienta o médico.

O site de pesquisa mais acessado do planeta também denuncia o crescimento do interesse dos internautas pelo tema. As palavras “dor nas costas” tiveram aumentou de 76% nas pesquisas realizadas pela ferramenta desde o início do isolamento social.

Para evitar as dores ou amenizá-las, Nordon orienta para que haja o mobiliário mais adequado possível. “Cadeira confortável, com encosto para as costas e apoio para os braços. Sentada, a criança ou o jovem deve ter os quadris e joelhos em um ângulo de 90 graus. Caso os pés não alcancem o chão, é importante um apoio. O correto é deixar o computador na altura dos olhos para que a cabeça não fique voltada para baixo e force o pescoço. A altura da mesa deve ser adequada também e que permita usar teclado e mouse com os cotovelos dobrados. No entanto, todos esses cuidados precisam estar associados com movimentos e atividades físicas. Incentive a criança ou o adolescente a levantar para tomar um copo de água ou fazer xixi a cada 30 ou 40 minutos. Lance desafios para que elas se sintam incentivadas a praticar alguma atividade física. As mesmas orientações valem para os pais que estão em home office”, finaliza Nordon.

Fonte: ADCom Comunicação Empresarial  Foto: Divulgação

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *